Os leões têm uma forma muito única de caçar. São os felinos mais sociáveis e que dependem uns dos outros para sobreviver. Uma das táticas mais usadas por estes animais na caça é o rugido; por norma, os leões rugem de uma forma muito assustadora e intimidante com o intuito de levar as presas a ir em direção contrária ao do rugido. O que as presas não sabem é que as leoas estão nessa direção a que elas fogem para as caçar. Ou seja, o barulho intimidador do rugido do leão é apenas uma forma de as distrair e de as levar à direção que eles realmente querem.

Jesus estava morto. A esperança do mundo estava inerte, sem respirar e pendurada numa cruz. Sexta-feira, o dia que marcara a morte de Jesus na cruz, era cinzenta, sem luz, sem brilho ou beleza: “E era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona, escurecendo-se o sol; e rasgou-se ao meio o véu do templo” (Lucas 23:44-45).

O louvor a Deus é uma questão complicada. Apesar de sabermos a sua definição, muitas vezes confundimos o que na prática deve ser feito. No mundo cristão, pensa-se que louvar é sinónimo de fazer/tocar músicas, ou o contrário de adorar, no que toca ao andamento da música. Pensa-se que louvar é com músicas rápidas e adorar é com músicas lentas.